Primeira Gravidez | Expectativas, Ansiedade e Cobranças


Sumi, muitas coisas aconteceram na vida profissional e na pessoal, então aguenta que lá vem textão!

Sim, estou grávida, neste momento, de 5 meses e depois de uma enquete em nosso Instagram Stories (@aqueleblog), vou compartilhar aqui alguns momentos dessa nova fase da minha vida. 

Porém, ao invés de fazer um Diário da Gravidez, gostaria de compartilhar algumas dicas que foram e ainda são fundamentais nesse período, mas também para conversarmos sobre este momento que gera tantas preocupações, dúvidas e anseios. 

Hoje, quero falar das sensações que a mulher e/ou casal tem antes mesmo de engravidar: a expectativa, a ansiedade e a cobrança.

Se você, assim como eu, tem um relacionamento mais longo e/ou já entrou na casa dos 30, provavelmente já ouviu algum comentário do tipo:

"E aí? Não vai ter filho, não? Já está na hora, não acha?"

E desculpe, mas se eu acho ou não, esse é um grande passo para um casal, no qual a decisão não pode ser tomada com base na idade ou tempo de relacionamento. 

Até porque, acho que toda essa cobrança da família, amigos, enfim, da sociedade como um todo, querendo ou não, gera certa angústia no casal que pode ou não estar planejando ter filhos. 

Por conta dessa nova fase, tenho ouvido mais relatos e de pessoas próximas, que eu não fazia ideia, de estarem há mais de 1 ano ou 3 ou até 7 anos tentando ter o primeiro filho(a), sem sucesso. 

E é aí que eu quero chegar: já parou para pensar em quantas vezes você perguntou para algum casal sobre o primeiro filho(a) e você nem sabia a história de vida deles? Se, por acaso, eles já não estavam tentando há algum tempo e não conseguiam engravidar? 

Eu admito que anos atrás, fiz muito isso e acho que, por conta do meu amadurecimento com relação à maternidade como um todo, antes mesmo de engravidar, fez com que eu prestasse mais atenção nisso. A ter mais empatia pelo meu próximo. Porque, sim, isso é questão de empatia!

Não estou aqui para dar lição de moral em ninguém, pois como eu disse, eu também já errei muito sobre isso e ainda erro, mas queria muito compartilhar esse alerta! 

E também para dizer à você, leitora, que pensa, planeja ou já tenta engravidar há algum tempo, você e seu companheiro(a) já fizeram todos os exames e não têm qualquer problema de saúde e não sabem mais o que fazer, a minha sugestão: não se cobre!

O estresse, a auto cobrança e a frustração da vinda de mais uma menstruação afetam muito o nosso psicológico! 

E se você ainda não fez isso, sugiro que você e seu companheiro(a) não contem à NINGUÉM que estão tentando engravidar, porque essas sensações acima quadruplicam! 

Imagine você, ouvindo todo mês "E aí? Deu certo? E esse mês? Menstruou?" e ter que lidar, não só com a sua própria frustração, mas também com a frustração de quem você ama, porque você ainda não está grávida? Esse fardo é muito pesado!!

Eu e o marido, por já ouvirmos muita cobrança de família e amigos e por conhece-los, não tivemos qualquer dúvida desde que começamos a nos planejar: contaríamos para as famílias só depois dos 3 primeiros meses (que é o período de maior risco de aborto espontâneo) e para todos, depois do ultrassom morfológico do 1º trimestre (o exame mais importante para saber se está tudo bem com o bebê). 

Foi a melhor decisão que tomamos e a mais gostosa, sendo bem sincera! 

Eu e o marido nos aproximamos muito mais por viver um momento que era só nosso, literalmente! Além disso, foi ótimo o tempo que tivemos para estudarmos e planejarmos como seriam as nossas vidas, a partir da notícia da gravidez, pois agora, por mais que as pessoas opinem e palpitem, nós já sabemos qual rumo queremos tomar e como lidar com certas situações. Filtramos o que ouvimos e seguimos em frente.

E não, não pense que foi fácil e rápido eu engravidar (olha a empatia aí...)! Fazia um pouco mais de 1 ano que eu havia parado de tomar anticoncepcional devido à vários efeitos colaterais. E só depois desse período, é que eu e o marido decidimos procurar um(a) profissional para fazer todos os exames e ver se a nossa saúde estava ok para, caso não estivesse, já providenciarmos o que fosse necessário. 

Ou seja, num total, foram 1 ano e meio até engravidarmos e sinceramente, se eu tivesse contado para qualquer pessoa, do jeito que eu já me cobro por tudo, eu não teria engravidado ainda. 

Claro que se você acha que esse apoio da família e amigos tem efeito contrário ao que comentei acima, por favor, faça o que é melhor para você! Estou só compartilhando uma experiência minha e de outras pessoas com quem tenho conversado, mas nada disso, assim como a maternidade num todo, não tem padrão. 

O que mais importa nisso tudo é que você se sinta bem, independente de qualquer opinião alheia! 

E o que você acha disso? Compartilha a sua história aqui também, se quiser, claro! Será um prazer aprender com cada compartilhamento! 

Beijos e até a próxima!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para comentar sem utilizar um login do Google basta usar a opção Nome/URL.
;)