Quanto custa estar em Machu Picchu?


Oi gente,

Pensei muito em escrever sobre a viagem ao Peru, desde como montar um roteiro a um relato mesmo, detalhado, de como foi meus dias por lá.
Então resolvi começar por um dos pontos que eu levei mais tempo pesquisando quando estava montando o meu roteiro: quando custa pisar em Machu Picchu?

Essa foto de novo por motivos de ser a preferida
Bom, antes de mais nada é preciso adquirir o ingresso para Machu Picchu (que não está incluso no boleto turístico, importante dizer). É quase obrigatório estar com o ingresso em mãos antes de chegar em Águas Calientes (cidadela que abriga a famosa montanha).
O ingresso custa S/. 128 para entrar no parque. Caso você queira subir em uma das montanhas, o ingresso custa S/. 152 para subir HuaynaPicchu e  S/. 142 para subir Machu Picchu.

Dá pra comprar o ingresso ainda aqui no Brasil, através do site do Ministério da Cultura peruano. Como fui em baixa temporada e como não tinha pretensão de subir em uma das montanhas, compramos o ingresso em Cusco mesmo - também no Ministério da Cultura. Fuja das agências, neste caso! Elas cobram mais caro que o valor oficial (obviedade!).
Outra coisa importante de dizer é que para tirar uma foto como essa não é necessário subir em uma das montanhas.

Certo?

Ingresso em mãos, partiu Águas Calientes. Ok! Como?
Existem algumas maneiras de chegar a cidadela, da mais baratex a super cara:

A super cara
Custando entre U$ 400 e U$ 600 (sim! Obamas!), a Trilha Inca é a maneira mais cara de chegar a Águas Calientes. Percorre a tradicional trilha que os incas faziam para chegar a cidade sagrada. Além de ser a maneira mais cara também é a mais concorrida: é preciso fazer a reserva com meses de antecedência.

A mediana
É ir de trem, saindo de Ollantaytambo e indo direto a Águas Calientes. Com certeza, é a maneira mais confortável - e todo esse conforto tem um preço. Cada ticket do trem custa em média S/. 250, por pessoa, na categoria intermediária.
Também é possível comprar os tickets do trem aqui do Brasil, através do site da Peru Rail ou da Inca Rail.

A baratex
Foi a maneira que escolhemos - e a que eu vou detalhar mais, ok?
Em praticamente todas as agências você vai encontrar o pacote Machu Picchu by Car. Na Plaza de Armas em Cusco fechamos um pacote para duas pessoas, que incluía:
  • Transporte de van até a Hidrelétrica;
  • Almoço em Santa Maria;
  • Hotel em quarto privativo em Águas Calientes (com wi-fi e café da manhã);
  • Jantar em Águas Calientes;
  • Ônibus (subida e descida) para Machu Picchu (que custa U$18 ida e volta);
  • 2h de guia em Machu Picchu;
  • Trem de volta até a Hidrelétrica (que custa U$28 o trecho);
  • Van até Cusco.
Existe uma maneira de fazer tudo isso por conta, sem ser através de um pacote. Optamos pelo pacote por considerar que, uma vez incluído hotel, refeições, etc, valeria mais a pena.
O pacote custou S/. 800 para os dois, incluindo tudo isso. Apesar dessa ser a maneira mais barata, a gente incluiu no nosso pacote algumas mordomias, como o ônibus pra subir e descer para Machu Picchu e o trem da volta.
Você consegue fazer esses passos a pé, como a maioria da galera que optou por essa rota faz. E aí, claro, o pacote fica mais barato.

Legal. Mas, na real, como é esse trajeto?

Não vou mentir. É um dia inteiro num perrengue só!
A aventura começa às 7h30 da manhã, onde a van te busca no lugar combinado. Como é muita gente e como as agências de Cusco não são lá aquele modelo de organização, começamos a viagem mesmo já eram mais de 8h.
Depois de uma hora e meia de viagem, mais ou menos, o motorista para por 15 minutos em um restaurante no caminho para o pessoal comer alguma coisa e ir ao banheiro. Ele é bem enfático ao dizer que, a partir dali, seriam mais 3h de viagem sem parar e atingiríamos 4500m de altitude (para se ter uma ideia, Cusco está a 3400m de altitude e Machu Picchu a 2400m). Ou seja, a hora para mascar a folha de coca era agora!
De fato, são mais 3 horas de viagem em uma estrada sinuosa (porém asfaltada), subindo, subindo, subindo até não acabar mais. Nessa hora, recorri ao Plasil, um remédio para enjoo, porque me senti mal de verdade dentro da van.  Mas era coisa minha mesmo, o resto da galera aproveitava toda a paisagem com a maior calma (um parêntese só para dizer que, nessa hora, subimos tão alto que passamos entre nuvens. Sensação única!)
Chegamos em Santa Maria para almoçar, 40 minutos para isso e rumo a Santa Teresa! Aí sim, a estrada parece ainda mais sinuosa e, por não ser asfaltada, você tem certeza que vai rolar morro abaixo a qualquer momento.
Basicamente, é como nessa foto aqui:



Seria maravilhoso se os motoristas peruanos andassem devagar, mas nem isso eles aliviam.
Agora sim, uma hora e meia depois de sacolejar na estrada de terra, chegamos a Hidrelétrica. O motorista nos indicou o caminho, mas não tem muito o que errar: uma subida leve você chega no trilho do trem, mas a caminhada começa a partir do próximo trilho, um pouquinho mais acima. Quando avistar o segundo trilho, vá pela esquerda e ande até Águas Calientes.



Tenha cuidado, pois o trilho tem uma linha de trem ativa. É preciso ficar atento.



E depois de duas horas e meia de caminhada, chegamos! O sentimento de gratidão por ter concluído toda a caminhada sem dar nenhum tipo de trabalho pra ninguém tomou conta de mim. (só reclamando um pouquinho, né amor?).

kkkkkkkkkk.. quando avistei o fim da caminhada. Quase chorei. Sério!


Em vermelho, o trajeto feito a pé: são 11 km de caminhada, circundando nosso destino final: Machu Picchu! <3

Dá pra acreditar?

E não tem como se perder: é só seguir em frente, seguindo o fluxo. O final da caminhada já é em Águas Calientes, que é bem pequena.
Depois que chegamos, tudo foi sendo providenciado com o guia: hotel, ônibus, ticket do trem... E apesar da minha apreensão de nada dar certo, tudo funcionou direitinho.

Na volta, pegamos o trem para fazer esse percurso da caminhada. Foram meia hora de viagem, no trem Expedition, da Peru Rail:

O trem mais barato da Peru Rail é super confortável.

Algumas coisas importantes:
- Saímos de Cusco às 7h30 da manhã e chegamos na Hidrelétrica às 14h30. Depois, foram mais 2h30 de caminhada. Chegamos em Águas Calientes por volta das 17h. Ou seja, levamos o dia inteiro só nesse rolê! Então, se quiser fazer esse mesmo trajeto, reserve um dia só pra isso, ok?
- Leve um lanchinho para comer em Machu Picchu. E, se puder, já leve de Cusco - as coisas em Águas Calientes são bem caras (por exemplo: pagamos S/. 5 em um sachê de shampoo e condicionador, desses dois em um).
- Leve repelente! Sério, faz um mês que eu estive por lá e ainda estou cheia de marcas de picada de mosquito. Sofri muito com isso, então não cometa o mesmo erro que eu.
- Leve roupas leves, tanto para a caminhada quanto para Machu Picchu. Fez calor lá, e ainda bem que eu estava com uma roupa bem fresquinha.


Ufa! Falei demais!
Se você quiser ver como foi esse trajeto, o vlog lá do Peru mostra como foi minha aventura. É só dar o play:



E se ficou mais alguma dúvida, é só deixar nos comentários que faço questão de ajudar você a planejar essa trip dos sonhos.
Beijos!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para comentar sem utilizar um login do Google basta usar a opção Nome/URL.
;)